Música de trabalho parte 2:

Work Song, Part 2: A Vision by Wendell Berry

If we will have the wisdom to survive, 
to stand like slow growing trees 
in a ruined place, renewing, enriching it... 
then a long time after we are dead 
the lives our lives prepare will live 
here, their houses strongly placed 
upon the valley sides... 
The river will run 
clear, as we will never know it... 
On the steeps where greed and ignorance cut down 
the old forest, an old forest will stand, 
its rich leaf-fall drifting on its roots. 
The veins of forgotten springs will have opened. 
Families will be singing in the fields... 
Memory, 
native to this valley, will spread over it 
like a grove, and memory will grow 
into legend, legend into song, song 
into sacrament. The abundance of this place, 
the songs of its people and its birds, 
will be health and wisdom and indwelling 
light. This is no paradisal dream. 
Its hardship is its reality. 
 

Eventos

Concerto, Conversa e Discussão - 1 e 2 de Agosto - Coja e Benfeita

Temos a honra de receber Tiokasin Ghosthorse, que viaja desde a sua reserva em Dakota do Sul até Portugal, para partilhar connosco oração, música e sabedoria intemporais.

Benfeita, 1º de Maio de 2017
Hoe houd ik van mijn lichaam en vind ik vrijheid in obsessies met eten. Donderdag 18 – zondag 21 mei 2017 Buinen, Netherlands

Heb jij een negatief beeld van jouw lichaam?

Quinta da Floresta, Benfeita 21 Outubro das 10h às 17h

Devido à grande procura, venho com grande satisfação anunciar uma nova oportunidade esta Primavera de iniciar a aprendizagem da arte e ciência do reconhecimento de plantas, no nosso bonito vale na Serra do Açor.

Quinta da Floresta, Benfeita 2018

Desde há milénios que as pessoas se retiram para locais selvagens para encontrar a paz interior e uma maior perspectiva da Vida. A Natureza, com a sua simplicidade e beleza, sustenta um profundo relaxamento do corpo, mente e alma.

ÚLTIMAS ENTRADAS NO BLOGUE

Sou apaixonado por construir com madeira em toros (troncos?). Conheço poucas coisas que façam sentido de tantas maneiras, quase todas de sentido prático e ecológico – o que no fundo é o mesmo – mas também financeiramente, esteticamente e em termos de resiliência e gestão da floresta.   

Ouvi dizer que, quando se está a criar, está-se mais próximo do Criador e, na minha experiência, isso é verdade.

Depois de um longo, quente e seco Verão, finalmente alguma, benvinda, chuva veio em Setembro. Estivémos fora durante as primeiras chuvas mas houve mais e depois de alguns dias de sol, fomos até uma floresta de bétulas e castanheiros mais adiante na montanha.