Abelhas

Poderá haver som mais evocativo do Verão do que o do zumbido da abelha quando, na sua azáfama, recolhe das flores o doce néctar que irá transformar-se em mel? Aqui no Projecto Floresta Desperta, estamos dedicados em cuidar das abelhas. Estamos a experimentar mais formas naturais de trabalhar com as abelhas de modo a produzirem excedentes de mel sem comprometerem a sua saúde ou a colmeia. Na realidade, acreditamos que conseguimos aumentar a saúde das abelhas com o nosso estilo de colmeias naturais e os métodos de apicultura mais gentis.

As abelhas são uma parte intrínseca de todos os ecossistemas do planeta, exceptuando a Antártida, e nós dependemos delas no que toca aos alimentos que elas polinizam para nós. Segundo o Greenpeace,

"Os grãos são polinizados principalmente pelo vento, mas os melhores e mais saudáveis alimentos - frutas, nozes e vegetais - são polinizados por abelhas. Setenta das 100 principais culturas de alimentos humanos, que fornecem cerca de 90 por cento da nutrição do mundo, são polinizadas por abelhas ".

Mas as abelhas, tal como muitas espécies hoje em dia, estão em crise. Globalmente elas estão a morrer à medida que, cada vez mais frequentemente, colónias inteiras morrem ou desaparecem sem deixar rasto. Este fenómeno é chamado Distúrbio do Colapso das Colónias (DCC).

Elas são anfitriãs de um número crescente de parasitas e doenças, das quais o ácaro Varroa é a ameaça mais significativa na Europa. Embora haja especulações sobre a causa do DCC e sobre a ascensão do Varroa, para nós é muito claro. As abelhas e o seu ambiente, muitas vezes agrícola,são rotineiramente encharcadas com biocidas químicos. Muitos apicultores, a fim de combaterem os parasitas, recorrem ao uso de pesticidas tóxicos no interior das colmeias.

A colmeia é um ecossistema complexo, onde as abelhas fermentam a comida para as larvas (pão das abelhas) e maturam o néctar em mel. As substâncias químicas tóxicas e agressivas desequilibram este preciso ecossistema e, como consequência, as abelhas estão enfraquecidas e os seus sistemas imunitários comprometidos. As abelhas são um aviso para nós todos, mostrando-nos que não podemos continuar a usar biocidas tóxicos no ambiente sem consequências devastadoras. Estão a mostrar-nos o que, até agora, recusámos a ver.

Aqui, na Serra do Açor, somos abençoadas por um ambiente não poluído, em grande parte livre de produtos químicos. O ar e a água estão limpos e as encostas estão cheias de fontes melíferas quase todo o ano, desde as precursoras giestas (Genisteae spp.) até às belas manchas de urze lilás (Calluna vulgaris) subindo pelas montanhas na Primavera, Verão e Outono, a floração dos castanheiros nos finais de Agosto e até os eucaliptos no Inverno cerrado. O mel destas montanhas é escuro e nutritivo. A época da procura de comida também é mais longa aqui devido ao microclima gerado pelas montanhas e pelo vale. As plantas podem estar a florir durante um longo período e, como as abelhas voam 3km para encontrar as suas flores, conseguem procurar as plantas ainda em flor. Outra vantagem das nossas abelhas é que estamos geograficamente isolados de outras colmeias, reduzindo assim o risco de propagação de parasitas e doenças, que é um problema significativo noutras regiões

Eu costumo comunicar com as nossas abelhas. No ano passado, um amigo que está a escrever um livro para crianças sobre espécies ameaçadas, perguntou se as abelhas tinham alguma mensagem para nós seres humanos. Então, uma noite, eu pedi e o que se segue foi o que eu ouvi da rainha:

"Nós queremos trabalhar com os humanos. Queremos ajudar a todos nós a avançar. Não é que a ciência e o "progresso" sejam maus, mas eles não são o quadro completo. Como vocês estão cegos pela razão, estão também cegos para as consequências das vossas ações quando elas são inconvenientes.

Temos que fazer alguma coisa àcerca da saturação do ambiente com químicos tóxicos. Os pesticidas e fungicidas estão a enfraquecer não apenas a nós abelhas, masTODA a vida, incluindo os seres humanos.

Nós somos o canário na mina. Estamos a morrer para vos mostrar. Para vos chocar e para que compreendam o que está a acontecer e quais os efeitos das vossas ações. Nós não somos os primeiros. Lembram-se da Primavera Silenciosa ? (um livro de Rachel Carson escrito em 1969 que chama a atenção para o morticínio de animais selvagens, especialmente de aves, devido aos pesticidas nos EUA)

Talvez vocês prestem mais atenção agora do que nessa altura, porque sabem que precisam de nós para suprirmos os vossos alimentos. Nós estamos a morrer porque estamos enfraquecidas física e energeticamente e vocês também! Vocês não entendem isto porque a vossa longevidade é maior, mas reparem nas vossas epidemias: depressão, fadiga, confusão, separação, cancro; e a lista podia continuar.

Tudo isto se deve ao vosso ambiente tóxico. Nós também não conseguimos lidar com isto. Afeta o nosso sistema nervoso e compromete o nosso sistema imunológico. Não estamos preparadas para isto e não aguentamos mais.

Por favor acordem! Façam o que puderem para se livrarem desses biocidas. Não os tolerem mais.

Parem de usar pesticidas seja qual for o risco ou sacrifício aparente. Parem de comprar comida cheia de químicos. Parem de comprar comida processada. Comam alimentos integrais. Para bem de todos nós. Não é coincidência o facto de sermos nós - as abelhas polinizadoras - fornecedoras do vosso alimento, quem vos está a alertar para o facto de que a forma como cultivam os vossos alimentos nos está a matar a todos.

Se querem mudar, se querem “salvar-nos”, então parem a guerra química e comecem com alimentos limpos e integrais.

Uma nota para os apicultores: Eu sei que para vocês é difícil, confuso e desafiante. Para aqueles de vocês que experimentam métodos naturais: nós apreciamos os vossos esforços. Continuem, a explorar e a aprender. Ajudar-vos-emos em tudo o que pudermos. Para aqueles de vocês que usam métodos químicos tóxicos e industrializados: nós já não podemos aguentar muito mais. Vamos deixar-vos.

Nós, as abelhas, estamos aqui para apoiar a evolução e nesta altura a evolução da consciência da humanidade é o nosso foco. Nós amamos a humanidade tal como amamos o nosso precioso planeta. Continuaremos a fazer tudo o que pudermos. Por favor, juntem-se a nós."

Quer acreditem ou não na comunicação interespécies a mensagem é a mesma: todos nós podemos agir agora.

É nosso alegria, tal como é nossa dever, cuidar das abelhas e contribuir para restaurar a relação sagrada entre Homem e Abelhas.

 

Eventos

Concerto, Conversa e Discussão - 1 e 2 de Agosto - Coja e Benfeita

Temos a honra de receber Tiokasin Ghosthorse, que viaja desde a sua reserva em Dakota do Sul até Portugal, para partilhar connosco oração, música e sabedoria intemporais.

Benfeita, 1º de Maio de 2017
Hoe houd ik van mijn lichaam en vind ik vrijheid in obsessies met eten. Donderdag 18 – zondag 21 mei 2017 Buinen, Netherlands

Heb jij een negatief beeld van jouw lichaam?

Quinta da Floresta, Benfeita 21 Outubro das 10h às 17h

Devido à grande procura, venho com grande satisfação anunciar uma nova oportunidade esta Primavera de iniciar a aprendizagem da arte e ciência do reconhecimento de plantas, no nosso bonito vale na Serra do Açor.

Quinta da Floresta, Benfeita 2018

Desde há milénios que as pessoas se retiram para locais selvagens para encontrar a paz interior e uma maior perspectiva da Vida. A Natureza, com a sua simplicidade e beleza, sustenta um profundo relaxamento do corpo, mente e alma.

ÚLTIMAS ENTRADAS NO BLOGUE

Sou apaixonado por construir com madeira em toros (troncos?). Conheço poucas coisas que façam sentido de tantas maneiras, quase todas de sentido prático e ecológico – o que no fundo é o mesmo – mas também financeiramente, esteticamente e em termos de resiliência e gestão da floresta.   

Ouvi dizer que, quando se está a criar, está-se mais próximo do Criador e, na minha experiência, isso é verdade.

Depois de um longo, quente e seco Verão, finalmente alguma, benvinda, chuva veio em Setembro. Estivémos fora durante as primeiras chuvas mas houve mais e depois de alguns dias de sol, fomos até uma floresta de bétulas e castanheiros mais adiante na montanha.